A médica Rosana Richtmann explica ao ‘Jornal da Band’ que os riscos de eventual reação à vacina da febre amarela são muito menores do que os efeitos da doença no caso de a pessoa ser infectada

Quinta-feira, 1 de março de 2018