GRIPE (INFLUENZA)

Segunda-feira, 13 de novembro de 2017

As vacinas contra Influenza, ou gripe, são desenvolvidas a partir de vírus inativados por vários processos físicos e químicos nos laboratórios produtores, desta forma, não há como o individuo adquirir essa doença através da imunização. A sua composição varia anualmente e é determinada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para os hemisférios norte e sul, baseada em dados de vigilância em todo o mundo. Existem dois tipos principais desta vacina: a apresentação trivalente (3V) composta de duas cepas do vírustipo A e uma cepa do vírus tipo B e, a apresentação da vacina quadrivalente (4V), composta de duas cepas do tipo A e duas cepas do tipo B.

Quando tomar: A administração da vacina contra influenza (gripe) é recomendada anualmente, nos meses que precedem o outono e inverno.

Administração: Intramuscular

Contra indicação: Pacientes com história de reação anafilática a qualquer componente da vacina.

Eventos adversos mais freqüentes associados à imunização: reações no local da administração da injeção (dor, inchaço, vermelhidão) geralmente leves e transitórias. A reação sistêmica mais comum é a febre, porém podem ocorrer, dor de cabeça, dor muscular e dor nas principais articulações.

A importância da prevenção: A influenza (gripe) é uma doença infecciosa aguda, causada pelo vírus influenza e, que apesar de ser autolimitada pode provocar sérias complicações secundárias, especialmente as respiratórias. Os indivíduos maiores de 60 anos fazem parte do grupo de risco aumentado para as complicações e óbitos pelo vírus da influenza. Pacientes portadores, entre outros, de doenças cardíacas, respiratórias, diabetes, obesidade e imunodeficiências têm alta recomendação de utilização anual desta vacina.